Incra divulga Instrução sobre processo de seleção das famílias do PNRA

Estadão Conteúdo21/12/18 – 15h30

Brasília, 21 – O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) divulgou nesta sexta-feira, 21, no Diário Oficial da União (DOU) informações sobre o processo de seleção das famílias beneficiárias do Programa Nacional de Reforma Agrária (PNRA).

A Instrução Normativa nº 93/2018 dispõe sobre inscrições, fases e classificação do processo de seleção, além de vedações à participação no Programa Nacional de Reforma Agrária.

A inscrição no Processo de Seleção para o PNRA será realizada em local previamente definido pela Superintendência Regional do Incra, podendo ser realizada nas suas unidades físicas ou no sítio eletrônico da autarquia.

O Engenheiro Agrônomo

agronomia ou engenharia agronômica combina conhecimentos das ciências exatas, naturais, econômicas e sociais para melhorar a qualidade e produtividade de plantações, rebanhos e produtos agropecuários.

O agrônomo ou engenheiro agrônomo é um profissional de nível superior capaz de atuar em todas as etapas do agronegócio, desde o plantio da lavoura e criação dos animais até a industrialização, armazenamento, distribuição e comercialização de produtos e propriedades rurais de todos os portes, fazendas, granjas, abatedouros, indústria alimentícia, de sementes, de defensivos agrícolas e de rações, setor sucroalcooleiro, órgãos de defesa sanitária e universidades são alguns dos campos de atuação do agrônomo, que pode ainda exercer a profissão de forma autônoma como consultor.

O mercado de trabalho para o agrônomo está aquecido e os salários, mesmo para quem inicia na carreira, são atrativos.

Salário Mínimo Profissional do Agrônomo

De acordo a Lei 4.950-A/66, de 1966, que regulamenta a remuneração dos profissionais diplomados em Engenharia, Química, Arquitetura, Agronomia e Veterinária, a tabela salarial do profissional de agronomia está vinculada ao valor do salário mínimo vigente e à jornada diária do profissional, independentemente do seu local de atuação.
A profissão de engenheiro agrônomo tem se especializado cada vez mais e aberto a cada dia diferentes postos de trabalho. Aquela imagem tradicional do Agrônomo da extensão, no meio da lavoura, não foi de todo extinta, mas muitos deixaram as botas de lado. Temos agrônomos fazendo análise de mercado, em atraentes laboratórios de genética, cuidando de pragas urbanas, de resíduos tóxicos, de certificação de alimentos orgânicos e em ONGS – Organização não Governamental atentas a problemas ambientais provocados pela prática agrícola, sob tamanha diversificação da profissão sentimos todos a mudança, passando por três grandes impactos: do agrobusiness, da biotecnologia e da sustentabilidade ambiental e social.

A Agronomia

Na sua origem, a palavra Agrônomo designava, em Atenas, o magistrado encarregado da administração da periferia agrícola da cidade. Com esse sentido, a palavra passou a outras línguas, já na Idade Média (anos 1300). Na Europa, e na França em particular, o termo AGRÔNOMO surge nos dicionários a partir de meados dos anos 1700, com o sentido de “técnico que entende de agricultura” ou “aquele que escreve sobre agronomia”. Nesta época surge também a expressão “agricultor físico” significando “aquele que estuda cientificamente a natureza”.

A palavra agronomia se impõe mais lentamente que o termo agrônomo. Lavoisier, que demonstrou um senso aguçado em relação aos problemas agronômicos de sua época, utilizou unicamente o termo “economia política”, visto ao amplo sentido dado na época ao termo agronomia, comportando o comércio e o ofício da agronomia. A agronomia torna-se “oficial” primeiramente na Europa, em 1848, com a Fundação na França do Instituto Nacional Agronômico de Versailles (1848-1852).

Porém, a prática da agricultura tem mais de 10 mil anos e é por causa dela que a humanidade chegou aonde chegou. Ao deixar de ser apenas coletor e caçador e passar a produzir seu próprio alimento, talvez o ser humano tenha dado seu mais importante passo sobre a face da Terra. Se antes os homens gastavam todo o seu tempo e preocupação para procurar o que comer, com a agricultura, uns tantos puderam produzir alimento para os demais e com isso sobrou tempo livre para se criarem novas atividades, instrumentos, tecnologias e ainda diferentes formas de organização social. Já a agronomia foi organizada há cerca de 200 anos, apenas com a atribuição de estudar cientificamente a agricultura e também abastecer uma sociedade cada vez mais urbanizada. Em menos de dois séculos, a agronomia contribuiu para uma profunda alteração nas formas de produção agrícola. De prática e saber milenares que visavam sustentar a vida humana com produção de alimentos, a agricultura passou a ser um sistema intricado de relações e negócios, que objetiva agora não apenas produzir alimentos, mas mercadoria agrícola e lucro.