A AEAPA realiza Curso Prático de cultivo de horta em pequenos espaços. Dia: 27/04/2019. Hora: de 9 -13hs.

O cultivo de alimentos saudáveis é uma alternativa viável a todos! Já pensou no prazer de colher ervas, temperos e hortaliças fresquinhas e saudáveis em sua própria casa, aproveitando espaços como beirais de janelas, pátios, corredores, varandas, sacadas e quintais e ainda praticar uma terapia eficiente contra o estresse do dia a dia?

Venha participar conosco dessa maravilhosa experiência! O curso abordará várias espécies cultivadas e suas relações com os tipos adequados de vasos, além da produção de mudas, localização da horta, rega, adubação e controle alternativo de pragas e doenças e as PANCS (plantas alimentícias não convencionais).


Cultive seus próprios alimentos saudáveis e livres de agrotóxicos! Cada participante leva para a casa uma jardineira com três hortaliças plantadas.

O cultivo de alimentos saudáveis é uma alternativa viável a todos! Dia: 27/04/2019. Hora: de 9 -13hs. Local: Sede Social da Associação dos Engenheiros Agrônomos do Pará, sito a Av. Alcindo Cacela, nº 1032. Instrutor: Mário Jorge Rocha, Engenheiro Agrônomo com experiência em agricultura urbana, especialmente em projetos de hortas escolares, domésticas e comunitárias. OBS. Cada participante deverá trazer o seu lanche e o seu copo. CONTATO : (91) 3226-6007 Investimento R$ 90,00

Banco da Amazônia inicia celebrações dos 30 anos do Fundo de Financiamento do Norte

Nesta quarta-feira, 27, o Banco da Amazônia deu início às comemorações pelos 30 anos do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO), regulamentado em 27 de setembro de 1989. A celebração foi no município de Irituia, nordeste do Pará, com o primeiro Seminário Integrado do FNO. A iniciativa faz parte de uma ação do Banco, que ocorrerá em 450 municípios da Região Norte.

Ao longo desse tempo, foram 700 mil operações contratadas, totalizando R$ 45 bilhões aplicados na região Norte, gerando 2,7 milhões de empregos, R$15 bilhões em salários, arrecadação de tributos superior a R$22 bilhões e crescimento de R$80 bilhões no PIB da região.

DOUTORANDA DA UFRA É SELECIONADA EM DESAFIO DE LÍDERES DO AGRONEGÓCIO

A discente de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Agronomia da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra),Letícia Cunha da Hungria, foi um dos quatro selecionados para representar o Pará na etapa nacional do Programa CNA Jovem, edição 2019, que está ocorrendo em Brasília (DF). Trata-se de uma iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), que busca descobrir e incentivar jovens com potencial para assumir papeis de liderança no setor agropecuário brasileiro, nos âmbitos institucional, sindical, político-partidário, educacional e empresarial.

O programa é voltado para brasileiros com idade entre 22 e 30 anos, com formação técnica ou superior. Letícia conta que, para chegar à etapa nacional, passou por um processo seletivo com duração de um ano, realizado em todo o Brasil através de um curso EAD sobre liderança empreendedora. O curso teve mais de 100 indicações ao SENAR somente no Pará. Em 2018, foram realizadas três etapas locais, durante as quais os participantes foram preparados com cursos que abrangiam desde oratória até o desenvolvimento de propostas para os mais diversos problemas relacionados ao agronegócio. Ao final, quatro jovens foram selecionados, sendo que a estudante da Ufra foi indicada pela Associação dos Engenheiros Agrônomos do Pará.

Cada participante elaborou um plano de ação. O plano de Letícia contemplava uma estratégia com o objetivo de transformar a economia atual (economia linear) em economia circular no setor rural brasileiro. “A economia circular é fundamental para atribuir maior vida útil aos recursos de produção, reduzir a pressão sobre a obtenção de matéria-prima e agregar valor ao produto”, explica. A ideia da doutoranda é realizar isso dentro das propriedades rurais. “Por exemplo, todo e qualquer resíduo gerado nas cadeias produtivas deve retornar ao processo produtivo, seja por meio de compostagem, biocarvão ou outras biotecnologias. Meu projeto piloto será a cadeia de açaí, utilizando uma plataforma criada por mim para mapear as principais propriedades produtoras de açaí. A ideia é agregar valor comercial e atribuir a pegada ambiental e de marketing, que pouco se vê no estado”, conta.

A etapa nacional, em Brasília, está em andamento até julho de 2019. No primeiro encontro, os 61 participantes de todos os estados do país puderam conhecer o processo legislativo na Câmara dos Deputados para aprovação de um Projeto de Lei (PL) e vivenciaram uma simulação de tramitação de um PL. Os próximos encontros do programa ocorrerão nos meses de abril, maio e julho.

Para ela, tem sido uma experiência gratificante poder contribuir para o agronegócio brasileiro. “Vamos consolidar o nosso lugar de potência na produção agropecuária. Poder linkar o que amo fazer com algo muito necessário para a turbinada que o agronegócio brasileiro precisa é uma oportunidade edificante para minha trajetória, tanto acadêmica quanto profissional”, afirma. Embora o espírito de liderança seja natural para a jovem, ela conta que a Ufra desempenhou um papel fundamental para a consolidação desse aspecto em quase oito anos de vínculo que tem com a instituição. Na Universidade ela cursou graduação em Agronomia, mestrado e, hoje, doutorado. “Carrego e sempre carregarei uma bagagem de conhecimento e experiência que adquiri com excelentes profissionais da Universidade”, diz Letícia Hungria.

O Programa CNA Jovem está na 3ª edição e, este ano, oferece uma premiação para o melhor desafio em grupo. Os vencedores terão a oportunidade de ter o seu projeto executado, com apoio da CNA, além de participar de um congresso que acontecerá em São Paulo, no mês de outubro, com autoridades da área. Já os três primeiros colocados individuais do programa, que serão avaliados por critérios de liderança, ganharão uma viagem para conhecer o Vale do Silício, na Califórnia (EUA).

CNA Jovem 2019 2

MP 870 DETERMINA RETORNO DA CEPLAC COMO ORGÃO SINGULAR AUTÔNOMO

Contrariando as expectativas de um possível rebaixamento de classificação no MAPA, foi publicada no dia 01/01/2019 MP 870, em que se determina o retorno da CEPLAC como órgão singular autônomo. Todos os componentes da atual gestão da entidade, desempenharam papel fundamental para tomada de decisão dos governantes, destacando o Diretor Geral Juvenal Maynard.  

A medida faz parte dos primeiros atos do governo Bolsonaro que apresenta um forte propósito em fortalecer o setor.  

FONTE: mercadodocacau

AEAPA entrega outorgas a profissionais de destaque em 2018

A Associação dos Engenheiros Agrônomos do Pará (Aeapa) entregou as outorgas do ano de 2018, em que reconhece os profissionais que tiveram destaque na área da agronomia no Pará, na noite desta sexta-feira (30). Ao todo, dezessete profissionais receberam homenagens.

Presidente da Aeapa, Mérisson Rezende de Morais, conta que a premiação é importante para que profissionais do ramo tenham o trabalho reconhecido. “A importância disso é valorizar o profissional da agronomia do estado do Pará. Essa missão é o que faz a associação existir, no sentido de valorizar o profissionais que se destacam no ramo profissional, mas também aqueles que dão uma grande colaboração à classe agronômica”, ressalta. 

Neste ano, Dilson Augusto Capucho Frazão foi o escolhido para receber a comenda de Engenheiro Agronômo de 2018. “Esse é um prêmio que realmente nos envaidece pelo reconhecido da Associação dos Engenheiros Agrônomos pelo trabalho que nós temos realizado ao longo de tantos anos de profissão”, conta o engenheiro, que já soma 50 anos de profissão e trabalhou, por muito tempo, na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). 

REITOR DA UFRA É ESCOLHIDO ENGENHEIRO AGRÔNOMO DO ANO DE 2017 PELA AEAPA

Foi realizada na noite da última quarta-feira, 13, em Belém, a solenidade de entrega de comendas em homenagem aos profissionais da Agronomia e do Agronegócio do ano de 2017, promovida pela Associação dos Engenheiros Agrônomos do Pará (AEAPA). A principal comenda da noite, a de Engenheiro Agrônomo do Ano, foi concedida ao Reitor da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), Professor Marcel do Nascimento Botelho. A cerimônia, realizada anualmente, ocorreu na sede do Clube dos Engenheiros do Pará.

A honraria é concedida àqueles profissionais que se destacaram na área da Agronomia no estado, e a escolha é feita pelos decanos da Associação. “O nome do professor Marcel foi aclamado. Ele é engenheiro agrônomo, um excelente professor, uma pessoa dedicada à carreira acadêmica e conhecedor da realidade agropecuária do Pará. E tem um diferencial, que é a habilidade de ser um grande articulador. Para a sociedade agronômica é uma honra e um prazer ter um engenheiro agrônomo na Reitoria da Ufra”, afirmou o presidente da AEAPA, Mérisson Rezende de Morais.

A comenda foi entregue ao Professor Marcel Botelho pelo presidente da entidade, juntamente com o presidente da Federação de Agricultura do Pará (FAEPA), Carlos Fernandes Xavier, e com o pai do homenageado, o também engenheiro agrônomo Celso Iran Puget Botelho.

Para o Reitor, a honraria não é apenas uma satisfação pessoal: “Receber essa homenagem enquanto reitor engrandece muito também a nossa Universidade. Para uma instituição que tem no agrário a sua raíz, esse prêmio reforça a nossa Universidade como uma protagonista no setor agropecuário do estado”, disse ele, afirmando que a Ufra é uma das grandes responsáveis pela formação dos agrônomos da Amazônia brasileira.

Para o Professor José Maria Hesketh Conduru, que também esteve presente na cerimônia, é inegável o mérito do Reitor da Ufra, e acrescenta que o prêmio é também um reconhecimento de tudo o que a Ufra representa como entidade que forma profissionais de agronomia na região. “Nós vivemos um momento muito especial porque a Ufra teve o seu curso de pós-graduação classificado com a maior nota da Capes, que é a nota 5. Isso mostra a pujança do curso de Agronomia, que, apesar de ser o mais antigo, ainda é aquele que tem mais vigor”.

Durante o discurso de agradecimento, o Reitor destacou a importância de todos os que, de alguma maneira, participaram de seu percurso acadêmico-profissional. “É preciso reconhecer a colaboração dos mestres, colegas de turma, alunos, ex-alunos e colegas de profissão. Todos vocês de alguma forma contribuíram com a minha formação”. E finalizou: “Se tivesse a chance de começar de novo, eu certamente começaria pela Agronomia. Todas as profissões são importantes, mas sem alimento nenhuma delas sobrevive, e nós somos os responsáveis pela produção de alimentos no mundo. Essa é a nossa missão, e é isso o que faz o mundo cada vez melhor. Esse prêmio eu divido com todos os engenheiros agrônomos e todos aqueles que me ajudaram a chegar aqui”.

Durante a solenidade, outro docente da Universidade, o Professor Breno Colonnelli do Campus de Paragominas, foi um dos agraciados com a comenda de Mérito Agronômico da AEAPA. “O reconhecimento é algo que todos nós trabalhamos bastante para ter, e eu vejo a Ufra como a protagonista na área da Agronomia. A gente forma os agrônomos – eu mesmo sou formado pela instituição -, e eu não poderia receber essa homenagem ser dar o devido mérito à Universidade”, declarou.

A Diretoria da Associação também fez uma homenagem ao Professor aposentado da Ufra Walmir Hugo dos Santos, que foi um dos fundadores da entidade. Além de reconhecer os profissionais, a cerimônia também celebrava o aniversário de 50 anos da AEAPA. Entre as comendas entregues estavam também as de mérito acadêmico, menção honrosa institucional, produtor familiar, imprensa e produtor do agronegócio empresarial. O prêmio de Engenheiro Agrônomo do Ano foi o último da noite a ser anunciado.

Também participaram do evento o Professor Luiz Gonzaga da Silva Costa e a Pró-Reitora de Assuntos Estudantis da Ufra, Professora Iris Lettiere da Silva.