DOUTORANDA DA UFRA É SELECIONADA EM DESAFIO DE LÍDERES DO AGRONEGÓCIO

A discente de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Agronomia da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra),Letícia Cunha da Hungria, foi um dos quatro selecionados para representar o Pará na etapa nacional do Programa CNA Jovem, edição 2019, que está ocorrendo em Brasília (DF). Trata-se de uma iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), que busca descobrir e incentivar jovens com potencial para assumir papeis de liderança no setor agropecuário brasileiro, nos âmbitos institucional, sindical, político-partidário, educacional e empresarial.

O programa é voltado para brasileiros com idade entre 22 e 30 anos, com formação técnica ou superior. Letícia conta que, para chegar à etapa nacional, passou por um processo seletivo com duração de um ano, realizado em todo o Brasil através de um curso EAD sobre liderança empreendedora. O curso teve mais de 100 indicações ao SENAR somente no Pará. Em 2018, foram realizadas três etapas locais, durante as quais os participantes foram preparados com cursos que abrangiam desde oratória até o desenvolvimento de propostas para os mais diversos problemas relacionados ao agronegócio. Ao final, quatro jovens foram selecionados, sendo que a estudante da Ufra foi indicada pela Associação dos Engenheiros Agrônomos do Pará.

Cada participante elaborou um plano de ação. O plano de Letícia contemplava uma estratégia com o objetivo de transformar a economia atual (economia linear) em economia circular no setor rural brasileiro. “A economia circular é fundamental para atribuir maior vida útil aos recursos de produção, reduzir a pressão sobre a obtenção de matéria-prima e agregar valor ao produto”, explica. A ideia da doutoranda é realizar isso dentro das propriedades rurais. “Por exemplo, todo e qualquer resíduo gerado nas cadeias produtivas deve retornar ao processo produtivo, seja por meio de compostagem, biocarvão ou outras biotecnologias. Meu projeto piloto será a cadeia de açaí, utilizando uma plataforma criada por mim para mapear as principais propriedades produtoras de açaí. A ideia é agregar valor comercial e atribuir a pegada ambiental e de marketing, que pouco se vê no estado”, conta.

A etapa nacional, em Brasília, está em andamento até julho de 2019. No primeiro encontro, os 61 participantes de todos os estados do país puderam conhecer o processo legislativo na Câmara dos Deputados para aprovação de um Projeto de Lei (PL) e vivenciaram uma simulação de tramitação de um PL. Os próximos encontros do programa ocorrerão nos meses de abril, maio e julho.

Para ela, tem sido uma experiência gratificante poder contribuir para o agronegócio brasileiro. “Vamos consolidar o nosso lugar de potência na produção agropecuária. Poder linkar o que amo fazer com algo muito necessário para a turbinada que o agronegócio brasileiro precisa é uma oportunidade edificante para minha trajetória, tanto acadêmica quanto profissional”, afirma. Embora o espírito de liderança seja natural para a jovem, ela conta que a Ufra desempenhou um papel fundamental para a consolidação desse aspecto em quase oito anos de vínculo que tem com a instituição. Na Universidade ela cursou graduação em Agronomia, mestrado e, hoje, doutorado. “Carrego e sempre carregarei uma bagagem de conhecimento e experiência que adquiri com excelentes profissionais da Universidade”, diz Letícia Hungria.

O Programa CNA Jovem está na 3ª edição e, este ano, oferece uma premiação para o melhor desafio em grupo. Os vencedores terão a oportunidade de ter o seu projeto executado, com apoio da CNA, além de participar de um congresso que acontecerá em São Paulo, no mês de outubro, com autoridades da área. Já os três primeiros colocados individuais do programa, que serão avaliados por critérios de liderança, ganharão uma viagem para conhecer o Vale do Silício, na Califórnia (EUA).

CNA Jovem 2019 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *